Get Adobe Flash player
Qua, 11 de Maio de 2011 18:49

2º Trimestre de 2011 - Os Perigos do Relativismo Moral - LIÇÃO 7 PUREZA TOTAL

Escrito por  Humberto Bezerra
Dar nota para esse item
(0 votos)

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

JUVENIS- CPAD

TEMA: Os Perigos do Relativismo Moral

COMENTARISTA: Telma Bueno

 

LIÇÃO 7   PUREZA TOTAL

 TEXTO BÍBLICO

1 Coríntios 13.13;   6.9-10.

 ENFOQUE BÍBLICO

 “E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro”(1 Jo 3.3).

 

 

 OBJETIVOS

Saber que Deus criou o homem perfeito e com desejos pessoais.

Enfatizar que o jovem deve manter-se puro, mesmo vivendo em uma sociedade corrompida pelo pecado.

Demonstrar biblicamente que Deus não acicata os padrões mundanos de sexualidade.

 

Visão bíblica do sexo

 

Deus criou o homem e generic viagra gel a mulher. Para aproximá-los, colocou entre neles, a atração um pelo outro, o instinto sexual. Todas as coisas criadas por Deus são boas. O problema é que o sexo se apresenta distorcido: são piadas imorais, literatura  pornográfica; o desejo do homem de apenas procurar prazer. Desenvolveram-se filosofias erradas, tais como “o ficar” e a negação da virgindade.  O sexo envolve responsabilidade.

 

A Bíblia ensina que o relacionamento sexual só pode ser realizado por meio do casamento: “O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros” (Hb 13.4–NVI). Este foi instituído por Deus (Mt 19.4-5). No casamento, deveria haver companheirismo, amor, compromisso. Duas  pessoas comprometidas um com o outro, em um ambiente de amor e respeito mútuo, poderiam ter direito à intimidade sexual. Nesse ambiente, haveria a propagação da espécie. O  casal foi abençoado por Deus  (Gn 1.28). A Bíblia  alerta para a prática sexual fora do casamento. Em primeiro lugar, deve existir o amor. Duas pessoas se aproximam. Expõem seus sentimentos, analisam seus ideais e então formulam planos para a vida conjugal. 

 

Duas pessoas não podem viver desfrutando da intimidade, como se fossem casadas. Para existir o relacionamento sexual é necessário que duas pessoas se amem, e assumam a responsabilidade diante de Deus, dos homens. Assim, a união deve estar também fundamentada na lei. Deve ficar claro para a sociedade que os dois desejam unir-se pelos laços do sagrado matrimônio. Assim, quando o casal efetivamente o faz, pode olhar um ao outro e desfrutar do prazer  dessa união, compartilhar sentimentos, sabendo que um assumiu compromisso com o outro. Ele deverá ser único na vida dela; e ela, a única na vida do homem.   Poderá dizer como Adão: “Esta é agora osso dos meus ossos e carne da carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada” (Gn 2.23).

 

Para chegar ao casamento, como Deus ordenou é necessário um longo caminho.  Os jovens devem prepararem-se para o casamento, resistir às tentações, para que não cedam ao impulso de  ter experiências sexuais antes do casamento. È neste que em um ambiente de amor que deve ser experimentada a intimidade, em um relacionamento em um momento aprovado por Deus.

.

A união do homem com a mulher possuía vários objetivos: companheirismo, isto é, o homem não deveria sofrer os efeitos da solidão. Deus declarou: ”Não é bom que o homem esteja só” (Gn. 2.18a).  Isto significava que: 1) Por meio do casamento, o homem teria com quem dividir seus planos, seus sentimentos e problemas; 2) Nesta união dentro do âmbito do casamento, haveria a intimidade, representada pela parte sexual. 3) Haveria a propagação da espécie: os filhos seriam criados em um ambiente de amor, onde aprenderiam os valores, a distinguir o certo do errado. A família oriunda do casamento formaria a sociedade.

 

O maior alvo do casamento é a união de dois seres: “Portanto, deixará o varão o seu pai e real viagra discount a sua mãe, e serão ambos uma só carne”  (Gn 2.24).

 

O Juvenil e o casamento

 

Deus é a testemunha do casamento. O povo perguntava por que suas orações não estavam sendo respondidas. O Senhor respondeu: “Porque o Senhor foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher do teu concerto” (Ml. 2.14b). Eles não estavam  sendo leais ao trato que haviam feito com a mulher: diante de testemunhas, haviam prometido fidelidade à esposa. Agora, estavam sendo infiéis. O Senhor também tinha ouvido, quando eles pronunciaram seus votos. Para Deus responder às orações, o povo teria de wine bottle opener tablet viagra ser fiel em seu relacionamento matrimonial.

 

Deus preparou para Adão “uma adjutora que esteja como diante dele” (Gn. 2.18b). A NVI assim registra: “alguém que o auxilie e lhe corresponda” (Gn. 2.18b).

 

Deus projetou o casamento e ordenou que a união conjugal fosse honrada. Hoje, há muitas pessoas que ridicularizam o casamento; julgam-no ultrapassado perguntam: ‘para que casar de papel passado?’ Se duas pessoas se “amam’ - dirá alguém que não há necessidade do casamento oficial. Qual o erro de tal pensamento? Em primeiro lugar  as pessoas mostram assim que não desejam assumir um compromisso sério. Em segundo lugar, declara  claramente que ao menor problema, descartará a outra pessoa. Em terceiro lugar, não almejam adquirir a posição de casado ou casada diante da sociedade. Esta  é uma posição de honra com direitos e deveres.

 

 São precisas medidas para viabilizar o casamento: os jovens necessitam estudar para obter um emprego que possa satisfazer as necessidades básicas do futuro lar. A necessidade de batalhar para poder adquirir as coisas necessárias e generic viagra 0d 0a ter uma moradia. Diz um  antigo adágio: "Quem casa, quer casa” . Neste aspecto é bom lembrar que “a bênção do Senhor é que enriquece, e ele não acrescentará dores” (Pv. 10.22).

 

O jovem deve pedir a Deus uma pessoa convertida para estar a seu lado todos os dias da sua vida. Para tal, ele deve conviver especialmente em seus momentos de lazer  com jovens crentes, fazer amizades com eles, para então poder fazer uma escolha. Se o jovem procura apenas amizades com incrédulos poderá cair em algum laço, sentir-se atraído por alguém que não possua a mesma fé que ele. O salmista assim se expressou: “Companheiro sou de todos os que te temem e dos que guardam os teus preceitos” (Sl 119.63). Isto não significa que o casamento não tenha problemas, entretanto que os dois crêem que existe um Deus que cuidará da família e que os cônjuges deverão orar, ler a Bíblia juntos para enfrentarem as dificuldades da vida.

 

Se o escolhido for incrédulo, o casal não terá os mesmos ideais. Quando um jovem crente, deseja unir-se com  descrente, está desobedecendo ao mandamento divino, a convivência será difícil, pois têm pontos de vista opostos em relação ao casamento, à seriedade dos votos matrimoniais: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?” (2 Co 6.14). Para um casamento feliz, necessitamos da bênção do Senhor, desejamos que Ele seja o  nosso convidado especial não só para a cerimônia nupcial, mas para todos os dias do matrimônio. Nas horas tristes quem animará o outro, se não tiver fé?  “Porque se caírem, um levanta o companheiro, ai, porém do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante”  (Ec 4.10).  O cristão verdadeiro possui aquela chama que arde no seu coração: é o desejo de dosage viagra lower blood pressure servir a Deus. Sente alegria em ir ao culto, já para o outro a alegria está nas coisas dessas vidas.

 

<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 Próximo > Fim >>
(Página 1 de 5)