Get Adobe Flash player
Qua, 09 de Novembro de viagra pills for men 2011 07:24

4º Trim. 2011 - Lição 7: Arrependimento, A Base para o Concerto - Plano de Aula

Escrito por  Caramuru Afonso Francisco

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

QUARTO TRIMESTRE DE 2011

TEMA –  Neemias – integridade e viagra equivalent herbal tablets coragem em tempos de crise

COMENTARISTA :  Elinaldo Renovato de Lima

PLANO DE AULA Nº 7

LIÇÃO Nº 7 –  ARREPENDIMENTO, A BASE PARA O CONCERTO            

1º SLIDE INTRODUÇÃO

- Na continuidade do estudo do livro de Neemias, estudaremos o capítulo 9, que relata o arrependimento e confissão dos pecados que se seguiu ao avivamento proporcionado pela Palavra de Deus.

- Não há como se ter uma vida de comunhão com Deus sem a confissão e arrependimento dos pecados.

2º SLIDE  I – OS JUDEUS CONFESSAM E SE ARREPENDEM DE SEUS PECADOS

- Os judeus, após a leitura das Escrituras, entraram em contrição e despertaram espiritualmente, inclusive celebrando a Festa dos Tabernáculos, algo que nunca fora feito desde os dias da conquista da Terra Prometida (Ne.8:17).

- Este estado espiritual de taking viagra without prescription despertamento, proporcionado pela Palavra de Deus, não se limitou a um estado de tristeza, seguido por uma alegria espiritual, nem tampouco pela celebração da Festa dos Tabernáculos. Um verdadeiro avivamento não se apresenta apenas num estado emocional, mas vai muito além das emoções.

3º SLIDE

- No dia vinte e quatro do sétimo mês, que é o mês de Etanim ou Tisri (II Rs.8:2), ou seja, dois dias depois do encerramento da festa dos tabernáculos (Lv.23:39), os filhos de Israel se ajuntaram com jejum e com sacos e traziam terra sobre si (Ne.9:1), atitudes que, naquela época, representavam arrependimento (I Rs.21:27-29; Jn.3:6-10).

- Mesmo depois das festividades, continuavam com seus corações ardendo com o que haviam aprendido das Escrituras e notaram que não poderiam viver sem a presença do Senhor, ou seja, que deveriam abandonar seus pecados, pois é o pecado que faz divisão entre nós e o nosso Deus (Is.59:2).

4º SLIDE

- O arrependimento de Israel deu-se, por primeiro, mediante o jejum, os sacos e a terra.

a) O jejum era uma demonstração de tristeza (Zc.7:3);

b) os sacos significavam humildade;

c)  a terra sobre si é o reconhecimento da humanidade e sua dependência de Deus.

5º SLIDE

- As demonstrações externas dos judeus para demonstrar seu arrependimento, conquanto necessárias para terem uma vida de comunhão com Deus, não eram, de modo algum, suficientes para tanto.

- De nada adiantaria apenas a demonstração de tristeza, humildade e woman taking viagra reconhecimento da soberania divina, se não houvesse, também, a retirada do pecado de suas vidas, a mudança de atitude. “Arrependimento” é “mudança de mente”. Somente há arrependimento quando, a partir de um estado interno, passamos a tomar ações externas diferentes e diversas das anteriormente tomadas.

6º SLIDE

- Os judeus não apenas se apresentaram com jejum, sacos e terra, mas também se apartaram dos estranhos, ou seja, dos estrangeiros que viviam no meio deles e cujos costumes estavam sendo adotados pelos filhos de Israel.

- Além do reconhecimento das faltas cometidas, é preciso haver, também, o seu abandono, a mudança de atitudes (Pv.28:13). Esta é a grande diferença entre o arrependimento e o remorso (II Co.7:10).

7º SLIDE

- A confissão dos pecados envolve a chamada “contrição”, que  “…consiste ‘numa dor

da alma e detestação do pecado cometido, com a resolução de não mais pecar no futuro’ ( § 1451 do Catecismo da Igreja Romana).

 

- Confessar o pecado, portanto, é não só estar triste com a sua prática, mas detestar esta mesma prática e estar resolvido a não mais voltar a cometê-la. Foi o que fizeram os judeus naquele célebre dia 24 de Tisri, quando resolveram não mais adotar as práticas dos estranhos que com eles conviviam.

8º SLIDE

- Os judeus confessaram não só os seus pecados, mas também o de seus pais, como, aliás, já havia feito Neemias durante os quatro meses em que se preparou para fazer o pedido ao rei Artaxerxes para ir até Jerusalém (Ne.1:6).

- Tal confissão nada tem que ver com “quebra de viagra suppliers database maldições” ou a denominada “maldição hereditária”. Tratava-se do reconhecimento da violação da lei por parte de Israel desde o pacto do monte Sinai (Ex.19:5,6). Na Igreja, não estamos debaixo da lei e a responsabilidade é pessoal (Ef.2:11-22). Quando cremos em Cristo, somos novas criaturas e tudo que era velho, passou, de forma que não há porque termos de pedir perdão pelos pecados cometidos por nossos antepassados (II Co.5:15-21).

9º SLIDE  II – COMO OS JUDEUS DEMONSTRARAM SEU ARREPENDIMENTO E CONFESSARAM SEUS PECADOS

- Os judeus ajuntaram-se com jejum, saco e levitra generic cialis terra. O primeiro passo dado pelos judeus foi o de se ajuntar, reconhecerem-se como povo de Deus. Foi como povo que eles aceitaram ser o povo do Senhor e receberam a lei, também como povo deveriam se apresentar diante de Deus para que fizessem um concerto com Ele.

- Jesus, também, edificou um povo, a Igreja (Mt.16:18) para servi-l’O e, por isso, é como um povo que temos de nos apresentar diante do Senhor. Não há como servir a Deus sem que estejamos fazendo parte de um povo, sem que formemos uma comunidade, a igreja local.

10º SLIDE

- Os judeus, depois de terem demonstrado exteriormente seu arrependimento, confessado seus pecados e comprovado o arrependimento com novas atitudes, ouviram, uma vez mais, a Palavra de Deus.

- O genuíno arrependimento leva à sede de warning buy viagra now ouvir a Palavra de Deus. Não se pode falar em um avivamento autêntico se não houver arrependimento e quem se arrepende dos pecados jamais despreza as Escrituras, mas sabe que delas provém a sobrevivência espiritual (Mt.4:4).

11º SLIDE

- Depois de terem ouvido por três horas a leitura das Escrituras, os judeus fizeram confissão e adoraram ao Senhor Deus durante as três horas seguintes.

-  A oitiva da Palavra de Deus leva-nos a pedir perdão pelos nossos pecados, pois ela nos santifica (Jo.17:17), ela nos purifica (Jo.15:3). Quando ouvimos a Palavra de Deus, somos postos diante de um espelho e, desta forma, temos de nos arrumar, para que estejamos conforme o modelo divino estabelecido para cada um de nós (Tg.1:22-25).

12º SLIDE  III – COMO OS JUDEUS ADORARAM AO SENHOR

- Adorar a Deus é reconhecer a Sua soberania, é pôr-se à Sua disposição. Não se trata apenas de louvar a Deus ou de fechar os olhos e se emocionar, como muitos pensam na atualidade.

- Adorar a Deus em espírito e em verdade é estar em comunhão com o Senhor, sem pecado portanto, e tudo fazer de acordo com a Palavra, que é a verdade (Jo.17:17). Temos sido genuínos adoradores?

13º SLIDE

- A adoração fez-se mediante a orientação e a condução dos levitas. Jesua, Bani, Cadmiel, Sebanias, Buni, Serebias, Bani e Quenani puseram-se em pé no lugar alto dos levitas e clamaram em alta voz ao Senhor.

- Os levitas puseram-se de pé no lugar alto que lhes era reservado, atitude que demonstra que toda adoração deve ser reverente. Não é à toa que um dos levitas se chamava “Serebias”, que significa “Deus faz tremor”.

14º SLIDE

- Primeiro, os levitas clamaram em alta voz ao Senhor e, depois, convidaram o povo a fazê-lo (Ne.9:6). Como seria importante que os ocupantes dos púlpitos de pharmacy cialis silagra cumwithuscom nossas igrejas locais convidassem o povo a adorar depois de também terem adorado ao Senhor.

- Adoração é o reconhecimento da soberania divina, é ter a convicção de que Ele é o Senhor de tudo, inclusive de nós mesmos (Sl.24:1). Não é à toa que o nome de um dos levitas era “Cadmiel”, que significa “Deus é desde todo o princípio”.

15º SLIDE

- Adorar a Deus é reconhecer que Ele, em Sua soberania, quis escolher-nos como Seus servos e generic viagra no rx usa fazer com que pertençamos a Seu povo (Ne.9:7-8). Não é à toa que três levitas tinham por nome “Bani” (dois levitas) e “Buni”, que significam “edificado”.

- Adorar a Deus é saber que passamos por aflições, mas que o Senhor nos livra de todas elas (Ne.9:9-12; Sl.34:19). Não é à toa que um dos levitas se chamava “Jesua”, que significa “Deus é salvador”.

16º SLIDE

- Adorar a Deus é saber que assumimos um compromisso com Ele e que devemos honrá-lo (Ne.9:13,14). Não é à toa que um dos levitas se chamava “Hasabneias”, cujo significado é “no mesmo sentido”.

- Adorar a Deus é ter consciência de que devemos viver em constante santificação, uma vez que somos falhos e sem nascermos da água e do Espírito, não poderemos entrar no reino de Deus (Jo.3:6; Ne.9:15-25). Não é à toa que um dos levitas se chamava “Quenani”, cujo significado é “aperfeiçoador”.

17º SLIDE

- Adorar a Deus é reconhecer a fidelidade de Deus bem como a infidelidade do homem. (Ne.9:25-35). Não é à toa que um dos levitas se chamava “Sebanias”, cujo significado é “Deus é misericordioso”, como também o outro se chamava “Hodias”, cujo significado é “o esplendor de viagra tablets australia Deus”.

- Adorar a Deus é reconhecer o cuidado atual do Senhor e a necessidade que temos de reconhecer e assumir nossos erros e consequências (Ne.9:36-38). Não é à toa que um dos levitas se chamava “Petaías”, cujo significado é “Deus abre, ou libertou”.

18º SLIDE

- Alguém poderá, então, dizer que razão têm os inimigos do Evangelho ao dizer que o salvo em Jesus é uma pessoa “conformada”, “alienada”, que a fé cristã seria “o ópio do povo”, que faria com que a pessoa fosse totalmente omissa diante da maldade e da injustiça do mundo. Nada mais enganoso!

- O salvo em Jesus Cristo, o integrante do povo de Deus aqui na Terra, não se queixa de Deus, sabe que o Senhor é justo e que devemos fazer a Sua vontade. Entretanto, por isto mesmo, é um “inconformado” com o mundo, é alguém que não admite nem tolera a indignidade ao ser humano, a injustiça decorrente da vida no pecado.

19º SLIDE

- Os primeiros a selar o compromisso escrito de servir a Deus foram os príncipes, os levitas e os sacerdotes, ou seja, aqueles que estavam à testa do povo. A começar de Neemias, o governador, todos os maiorais assinaram o concerto (Ne.10:1-27).

- Os que presidem o povo de Deus, aqueles que estão à frente, devem ser o exemplo dos fiéis (I Tm.4:12; II Tm.2:2; Hb.13:7; I Pe.5:3), razão pela qual o apóstolo Paulo mandou que fossem cuidadosos (Rm.12:8).

Colaboração para o Portal Escola Dominical – Ev. Profº Dr.Caramuru Afonso Francisco