Get Adobe Flash player
Dom, 28 de Julho de 2013 11:44

3º Trim. 2013 - Lição 5 - As virtudes dos salvos em Cristo I Plano de Aula

Escrito por  Caramuru Afonso Francisco

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

TERCEIRO TRIMESTRE DE 2013

FILIPENSES: a humildade de Cristo como exemplo para a Igreja

COMENTARISTA: ELIENAI CABRAL

PLANO DE AULA - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP
 

 

PLANO DE AULA  Nº 5

LIÇÃO Nº 5 – AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO

1º SLIDE  INTRODUÇÃO

- Após ter mostrado o exemplo de todo cristão, que é a pessoa de Jesus Cristo, Paulo mostra aos filipenses que devem ser inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa.

- O cristão não deve “fazer diferença”, mas, sim, ser diferente dos homens sem salvação.

2º SLIDE   I – O CRISTÃO DEVE SER UMA PESSOA VIRTUOSA

- Virtude - uma disposição estável em ordem a praticar o bem; uma verdadeira inclinação para fazer o bem.

- A virtude representa uma força que nos impele a nos assemelharmos cada dia com o Senhor, de buscarmos a perfeição, o que somente pode advir a partir da obtenção da santidade.

3º SLIDE

- Quando alcançamos a salvação na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, passamos a ser morada de Deus (Jo.14:17,23) e o Senhor infunde em nós, de pronto, três virtudes, três disposições para fazer o bem, as chamadas “virtudes teologais” (I Co.13:13), a saber:

a) fé (Ef.2:8);

b) esperança (II Ts.2:16);

c) amor (Rm.5:5)

4º SLIDE

- Ao lado destas virtudes teologais, existem virtudes humanas, cujo exercício, ante a natureza decaída do homem, exige a libertação do pecado (Jo.8:36).

- Os homens são capazes de saber o que é o bem (Rm.2:1-16), até o fazem (Mt.7:11), mas, sem Cristo, sucumbem sempre no pecado (Rm.7:14-24).

 

5º SLIDE

- Uma vez obtida a salvação em Cristo Jesus e recebidas as chamadas “virtudes teologais”, é inevitável que o homem, neste processo de salvação, se aproxime a cada dia de Deus, por meio da santificação, crescendo na graça e conhecimento de Cristo (II Pe.3:18), submetendo-se a um contínuo aperfeiçoamento (Ef.4:12).

- A vida cristã tem como objetivo fazer com que “Cristo seja formado em nós” (Gl.4:19), levar-nos à “medida da estatura completa de Cristo” (Ef.4:13) e, para tanto, além dos dons ministeriais que o Senhor Jesus põe em Sua Igreja para que alcancemos tal crescimento, torna-se absolutamente indispensável que vivamos em contínua santificação (Ap.22:11).

6º SLIDE

- Todo verdadeiro e genuíno cristão pratica boas obras (Mt.5:16; Tg.2:14-18), boas obras que fazem com que cada cristão seja uma pessoa virtuosa, um verdadeiro “cristão”, ou seja, um “pequeno Cristo”, pois Jesus, enquanto neste mundo, jamais cessou de fazer o bem (At.10:38).

- O cristão, desta maneira, sempre acrescenta à fé, a virtude (II Pe.1:5), visto que escapou da corrupção, que pela concupiscência há no mundo e foi feito participante da natureza divina (II Pe.1:4), sendo chamado para a Sua glória e virtude (II Pe.1:3).

7º SLIDE  II – A OBEDIÊNCIA DOS CRENTES DE FILIPOS

- Paulo faz um apelo aos crentes de Filipos  no sentido de que continuassem obedientes ao Senhor e que “operassem a salvação com temor e tremor” (Fp.2:12).

- Paulo amava os filipenses e, por isso, queria que eles tivessem uma vida moral ilibada, uma vida virtuosa. Quem ama não apenas respeita o livre-arbítrio do outro mas se esforça para que o outro seja salvo e mantenha esta salvação.

8º SLIDE

- “Operar a salvação em temor e tremor” é avançar nossa vida espiritual, assumir a responsabilidade de nos aproximarmos mais e mais do Senhor, santificando-nos incessantemente e praticando boas obras.

- “Temor e tremor” é ter consciência da seriedade da salvação e de que estamos a lidar diante do Rei dos reis e do Senhor dos senhores. É ter certeza que “não se pode brincar de crente”.

9º SLIDE

- A vida cristã séria nos assemelhará cada vez mais a Cristo, operando uma contínua  mudança em nós.

- Nesta mudança completa em nossos hábitos, não podemos confiar em nós mesmos, mas, sim, em Deus, que “opera em nós tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade” (Fp.2:13).

10º SLIDE  III – A VIDA VIRTUOSA QUE PAULO DESEJAVA AOS CRENTES DE FILIPOS

- A vida virtuosa desejada pelo apóstolo Paulo aos filipenses começava com uma vida ausente de murmurações e contendas (Fp.2:14).

- “Murmuração” - “ato ou efeito de murmurar; murmúrio; rumor infundado; boato; falatório depreciativo; detração; maledicência”.

11º SLIDE

-  A “murmuração” é uma atitude que nasce de um desagrado, de uma situação emocional adversa, em que a pessoa age por instinto, sem pensar naquilo que está a fazer.

- É uma ação de quem se deixa levar instintivamente, ou seja, pela “carne”, pela natureza pecaminosa.

12º SLIDE

- A “murmuração” não tem guarida em um ser que é guiado pelo Espírito Santo, que não mais anda segundo a carne, mas pelo Espírito (Rm.8:1).

- É atitude de quem é sensual, ou seja, que se guia pelos instintos, e que, portanto, não tem o Espírito (Jd.19).

13º SLIDE

- Quando Paulo diz aos filipenses que nada fizessem por “murmuração”, estava a pedir-lhes que não permitissem que se deixassem levar pela carne e, assim, deixassem de servir ao Senhor.

- O apóstolo também recomenda que os filipenses nada fizessem por contenda, que é um subproduto da soberba e da perversão (Pv.13:10; 16:28).

14º SLIDE

- Somente fazendo as coisas sem murmuração nem contenda, os salvos podem ser irrepreensíveis e sinceros (Fp.2:15).

- “Irrepreensível”  - aquele que “não dá margem a repreensão ou censura; sem nenhuma falha; perfeito; escorreito”.

15º SLIDE

 - Para que os salvos sejam pessoas que não sejam censuradas nem reprovadas seja pelos demais membros em particular da Igreja, seja pelos incrédulos, é indispensável que tudo seja feita sem murmuração nem contenda.

- Quando agimos por humildade, considerando os outros superiores a nós mesmos e aceitamos a vontade de Deus em nossas vidas, confiando no Senhor e não dando margem aos nossos instintos, temos condição de ser “irrepreensíveis”.

16º SLIDE

- “Sincero” - aquele “que se exprime sem artifício nem intenção de enganar ou de disfarçar o seu pensamento ou sentimento; que é dito ou feito de modo franco, isento de dissimulação; em quem se pode confiar; verdadeiro, leal; que demonstra afeto; cordial.”

- Em Fp.2:15, a palavra grega empregada é “akeraios” (άκέραιος), cujo significado é de “não misturado”, “puro”, “sem mistura do mal, livre de culpa, inocente, simples”.

17º SLIDE

- Esta irrepreensibilidade e sinceridade do salvo faz com que ele tenha um comportamento completamente diferente, contrário ao do restante das outras pessoas que não tem a salvação em Cristo Jesus.

- Paulo é claro ao dizer que, ante esta irrepreensibilidade e sinceridade, o salvo surge como “filho de Deus inculpável no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” (Fp.2:15).

18º SLIDE

- Existem milhões e milhões de sedizentes crentes que não são filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa que resplandecem como astros no mundo, pois:

a) não estão sendo guiados pelo Espírito Santo (Rm.8:14);

b) não se santificam pela Palavra de Deus (Jo.17:17);

c) entraram em comunhão com o mundo e já não mais refletem a glória de Deus (Jo.3:19-21).

19º SLIDE

- Para sermos filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa e resplandecermos como astros no mundo, é necessário que “retenhamos a Palavra da vida” (Fp.2:16).

- Não há como nos mantermos em santificação e nos aproximando cada vez mais do Senhor Jesus e da “estatura completa de Cristo” se não “retivermos a Palavra da vida”, se não alimentarmos nosso homem interior com a Palavra de Deus (Mt.4:4).

20º SLIDE

- A razão de ser do trabalho de Paulo era ver os crentes salvos, crendo em Cristo, mas vivendo uma vida de contínua aproximação para com o Senhor.

- Paulo somente entendia ter tido êxito em seu trabalho quando verificava que estes crentes que haviam crido, se batizado e se tornado membros da igreja local tinham uma vida de retenção da Palavra da vida e apareciam, no meio da geração corrompida e perversa, resplandecendo como astros no mundo.

21º SLIDE

- Em havendo a presença desta vida virtuosa entre os crentes de Filipos, o apóstolo não se importava em ter de morrer por causa da fé.

-  A quinta alegria da carta aos filipenses – a alegria de sofrer por Cristo (Fpo.2:17), alegria que deveria ser compartilhada pelos crentes de Filipos, desde que mantivessem uma vida virtuosa.

COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO